Luz e Sombra

Monday, July 11, 2005

Acerca de música...

A Redbackspider deu o mote com Anthony and the Johnsons.
O que se pretende, caros companheiros de crime, é que respondam às perguntas:
– Qual foi a experiência musical mais mística que já tiveram?
– Essa música/álbum/ópera/concerto/area seria banda sonora perfeita para que situação ou filme?

A minha foi ouvir pela primeira vez o álbum "Agaetís Byrjum", dos Sígur Rós. OK, vocês podem argumentar que os gajos cantam em islandês. Mas se a aurora boreal tivesse uma banda sonora prefeita, seria aquilo.
Agora, digam vocês de vossa justiça.

Não tenho nada para oferecer, mas já percebi que a gente se diverte imenso a trocar estes cromos.

Um abraço a todos.

29 Comments:

  • A sério??? Sígur Rós? Gostas??? Eu também!!! Aliás, esse é um dos álbuns que frequentemente ouço aqui, no carro, levo para férias, etc.!!! E já agora, na onda da boa música, que tal Air? Kid Loco? hummm...parece que a discussão vai animar! Boa, Earworm! 20 pontinhos para ti por causa dessa dos Sígur Ros! Ouve então Antony (é mesmo sem h!!) and The Johnsons! Vais gostar! Na net se pesquisares vais encontrar o site dele e lá tem samples!
    Siga para bingo!

    By Blogger redbackspider, at 1:17 AM  

  • Olha, precipitei-me! Afinal já tinhas respondido! Sim, a figurinha é um luxo! Mas acho que a figurinha tem tudo a ver com o perturbador e fascinante! Todos tememos o pouco definido, o andrógino!
    Bem, fica sem efeito o apelo que fiz antes para ouvires Antony!!

    By Blogger redbackspider, at 1:20 AM  

  • Air é lindo! Moon Safari e a perturbante banda sonora de "As virgens suicidas", sobretudo.
    Kid loco não conheço.

    By Blogger Earworm, at 2:07 AM  

  • humm... a estranheza e rendição ao ouvir o album Grace do jeff buckley...principalmente a versão de Hallelujah de Leonard Cohen...

    bem, e a surpresa ao ouvir Kid A dos radiohead...uma boa surpresa.. ou mais recentemente da leveza de Emiliana Torrini...

    By Blogger JoaquimGilVaz, at 3:01 AM  

  • eu sou um bocadito ignorante musicalmente. Tenho de refinar os meus gostos musicais.

    Desde os concertos do Live 8, que ando a ouvir The dark side of the moon dos Pink Floyd.

    Ando agora também, graças ao D.U. entusiasmada com os Nine Inch Nails.

    Do Jeff Buckley gosto muito do Lilac Wine do albúm Grace!

    By Blogger Eduarda Sousa, at 11:03 AM  

  • O álbum "Grace" é, decididamente, um dos meus 5 albuns preferidos. Ainda bem que o vejo aqui mencionado. O Hallelujah é uma ode à perfeição, melhor que o original. Isto, dito pelo Buckley, soa infinitamente mais desamparado e belo do que com a ironia desiludida do Cohen: "But remember when I moved in you/ and the Holy Dove was moving to/ and every breath we drew was Hallelujah..."

    Mas vocês estão a esquecer-se da segunda parte: Isso dava a banda sonora ideal para quê?

    By Blogger Earworm, at 11:33 AM  

  • Experiência musical mais mística..? Ui isso é muito difícil.. Posso escrever um testamento? Concordar com o que já foi dito acerca dos que conheço.. Sigur Ros, Emiliana Torrini, Jeff Buckley ou NIN, isto do mistico tem muito que se lhe diga...
    Para mim, top3 místicas.. Ashram, Coco Rosie, Yann Tiersen [BSO da Amelie especialmente]

    Ashram. Damn, nao da nem pra descrever.. ando feita tola ha ja muito tempo a ver se consigo arranjar o album, mas ta mt complicado.. enfim, sao lindos, violino e piano, mas com um sentimento, uma atmosfera, totalment misticos, diferentes, simples, magnificos damnit, da arrepios gente, fica tudo dormente por dentro sabem? *suspira*

    Coco Rosie.. sao muito subtis, duas vozes femininas muito "inocentes", muito criticas, sonoridade muito doce, muito diferente, tem uma musica em especial, que me transporta sempre pra um casebre de madeira abandonado e isolado de tudo, uma tempestade la fora e uma caixa de musica [daquelas com bailarina e tudo] a tocar. Enfim, é magico.

    Yann Tiersen, porque sim. Tem uma energia muito diferente, é uma mistura muito especial. Já nem sei o que dizer sobre ele para nao me tornar repetitiva, mas é fantastico, é como se ficassemos sozinhos e so existissem cores e coisinhas especiais a nossa volta.

    Qualquer uma delas é assim... Uma energia diferente em todas, mas todas mui misticas, para mim pelo menos :)

    Tambem acho que Anathema, The Gathering, Apocalyptica, Porcupine Tree, Aenima, Stina Nordenstam, Massive Attack, Fiona Apple, e mais uns quantos tem melodias lindissimas.. talvez nao tao misticas, nao tao surreais em comparaçao ao resto... ms mm mt especiais na mesma. [é tudo tao relativo.. pergunta ingrata Earworm :P tens de faze-las mais simples.. lol]

    Enfim, é dificil pra mim falar de musica :x aaaaaaaaaaaaah que horror :S
    lol peço desculpa

    beijinhoooos a todos :)*****

    By Blogger Perséfone, at 4:26 PM  

  • Acreditam que nem queria responder a este post? Porque não conheço nenhuma música que aqui referiram!:s E depois de tanta gente falar e ver que conhecem o que os outros ouvem, preferia nem meter a colher neste assunto... Senti-me uma ignorante:) Porque entre a ópera (Verdi, Puccini, Bellini, etc...), músicas para violino, de preferência na execução do Jascha Heifetz ou Itzhak Perlman e cantatas de Bach (adoro o Magnificat) eu tenho momentos em que oiço os Tatu, Evanescence, Avril Lavigne ou Muse... Quer dizer tenho uma salada de gostos musicais na cabeça.:)

    Nunca mais me esqueço de quando ouvi pela primeira vez o final do primeiro acto da Madama Butterfly num disco de vinil (tinhamos uma caixa de televisão cheia de discos de vinil com belcanto e música simphonica) chorei, ouvi novamente, e andei durante meses a ouvir até decorar todas passagens que eles faziam (a soprano era a belissima Totti dal Monte). Na altura pensava que são pessoas sobre-humanas, que é impossível uma pessoa "normal" cantar assim... Nem me atrevia cantarolar com eles, ainda por cima porque desafinava muito quando era pequena e depois parecia-me que seria imperdoável estragar algo tão perfeito... (tinha eu 6 anos)... Sentia raiva por não conseguir produzir algo tão maravilhoso e mágico... Estão a ver uma criança a chorar de raiva por sentir-se incapaz de cantar igualmente a um cantor profissional? E ainda por acreditar que nunca será capaz? Poize... A minha bisavó era solista do Bol'shoi e a vida bohémia dos cantores e músicos estava para mim sempre envolta com uma aura mágica, era algo inatingível e aliciante:)(Agora já sei que é cheia de intrigas e de mágico pouco tem, é só fachada... infelismente)
    É estranho que naquela altura (4-14 anos) gostava mais de vozes masculinas (Titta Ruffo, Shalyapin, Mario Lanza, Caruso, Gedda, Lauri Volpi, Lemeshev...) e agora de femininas (Callas, Toti dal Monte, Bartoli, Gina Cigna, Mirella Freni, Obraztsova, Leontyne Price, Renata Tebaldi, etc)...

    Depois, já em Portugal, conheci Maria Callas, foi "amor a primeira vista":) Canto, ou tento cantar quase todo o repertório dela (pelo menos as árias mais famosas)

    As preferidas... a Norma, Madam Butterfly (mas fico me pelo primeiro acto, os outros são demasiado deprimentes), Tosca (2º acto), Lucia de Lammermoor, Carmen (1º acto), Le Nozze di Figaro, Aida, Pagliacci, Traviata, La Forza del Destino, etc...

    Sobre Pagliacci de Leoncavallo, é incrível como este homem ficou famoso pela única ópera!!! E esta opera tornou-se importal! E a ária Rigi pagliaccio per tuo amor infanno (Ria palhaço do teu amor gozado...) faz me arrepiar... penso que ao fim deste post curtinho (como quase tudo que escrevo:)) posso concluir que é esta ária que me arrepia e é a mais mítica de tudo que ouvi... É uma ópera muito trágica, mas que se ouve toda de uma vez, sem se conseguir mexer... Servia de banda sonora para... uma cena de morte ou de perda de alguem amado...

    Da Traviata é o "É strano! in core scolpiti ho quegli accenti!.." que se segue com o "Piú a me t'appressa ascolta, amato Alfredo." estou convencida que a Traviata tem partes que se podem aproveitar para qualquer necessidade da banda sonora...

    Depois há o "Et Exultavit" do Bach que eu vejo numa cena do filme onde estamos muito rapidamente a mostrar os momentos da vida da personagem, como um percurso rápido pelo seu passado.

    O "Il meu bambino caro" ou "La mamma morta" ou "Una furtiva lagrima"... para cenas de guerra, ou melhor, as cenas onde "silenciosamente" se mostram os destroços da guerra... a preto e branco... a segunda mexe muito connosco...

    Adoro a ária da Norma, a Casta Diva, mas sendo por si só algo tão personalizado e forte, dificilmente iria servir de banda sonora para um filme, porque desviava toda a atenção do cenário e focava na música. O mesmo acontece com a ária da Carmen (L'amor et um oiseau rebelle) a Habanera.

    Vou parar por aqui, senão vou infinitamente a falar de arias que gosto...

    Se não querem que eu escreva demais, não colocam posts sobre a música com a carta branca para escrever do que quer que seja:)

    By Blogger Dasha, at 6:17 PM  

  • Dasha ainda bem que respondeste ;D quer-me parecer que ha aqui uma grande riqueza, muita diversidade, e sem duvida que o bom disto é partilhar e tal, alargar os nossos conhecimentos nem que seja so baseado na palavra do outro :D

    acredita que gostava de te ouvir cantar, pareces-me tao apaixonada pela musica, a tua energia deve ser algo de contagiante no minimo :D

    beijinho*

    By Blogger Perséfone, at 7:10 PM  

  • Booklover, tb eu sou uma "aprendiz" do D.Uberlende. Nem sabes tu, Earworm, no que te meteste com esta pergunta!!

    Sou meio ignorante no que diz respeito a musica, nunca fui muito de ir a procura de novos sons, talvez porque sempre tive ao meu lado quem fizesse isso por mim. Prefiro associar a musica as pessoas que ma deram a conhecer, e isso comecou com a minha irma. Gracas a ela, desde miuda que ouco Doors, U2, Janis Joplin, Bob Marley, etc. Andavam os meus coleguinhas a ouvir MC Hammer e eu a cantarolar "Me and Bobby McGee"... Nao sei se isso fez muito bem a minha insercao social.

    E claro, a musica brasileira, com os meus pais. Chico Buarque, Caetano Veloso, Maria Bethania... Sempre no meu coracao, recordacao de longas viagens de quando nao havia auto-estrada para o Algarve.
    "Deixa em paz meu coracao... ele eh um pote ate aqui de magoa..."

    Momento musical... Sem duvida, "Grace" marcou a minha adolescencia... Achava que so o Jeff Buckley conseguia cantar tao sofridamente como eu me sentia, por vezes. E Portishead, o album "Dummy", tb me marcou. Estas sao as bandas perfeitas sonoras para uma depressao.

    Voz mais perfeita a face da terra: Ella Fitzgerald. Nao me venham com tretas, a mulher era um anjo encarnado. A Marisa Monte tb tem uma voz que me fascina... Mas va, nao vou comparar, nao...

    Mais recentemente, apaixonei-me pelos Muse. Tem momentos tao lindos, tao... de puro virtuosismo... nao sei. Adoro. Bolas, deve ser mesmo dificil escrever criticas musicais... Tudo o que escrevi me parece patetico.

    Next. Pecas corais arrepiantes (do pouco que conheco, mais por ter cantado do que por ter ouvido): Locus Iste (Bruckner), Timor et Tremor (Poulenc), Oculi Mei (E. Lopes Morago - tipo... bue antigo...). E o Ave Maria de Eurico Carrapatoso (compositor portugues, e ainda mexe). Uiiiindo. Todas sao perfeitas para um momento mui triste. Na realidade, ja cantei o Locus Iste num velorio (weird, huh?) e garanto que eh lagrima garantida.

    "Shit list" das L7 - OST perfeita para um dia de raiva.

    "Writing to reach you" - Travis - perfeita para quem morre de saudades do lado de la do ecran.

    "My friends", Red Hot Chili Peppers - tambem perfeita para qdo tudo esta na merda.

    "Feeling Good" - versao dos muse, adoro, faz-me sentir poderosa e rainha, e damn, I'm feelin' good. Vcs percebem...

    Ok, chegou ao fim o testamento. Para vos dar uma boa noticia, aqui a vossa pequenita amiga vai 6 meses para o Texas (talvez a partir de Janeiro), trabalhar em evolucao experimental. Vou finalmente descobrir como eh que uma abecula como o Bush escapou a seleccao natural. Eheheh. Yiiiiiihaaaaaaaaaaa!

    By Blogger smallworld, at 3:59 PM  

  • Boas notícias Stela!
    Excelente resposta!
    Banda sonora perfeita para me sentir na merda é qualquer coisa da deusa TORI AMOS: Podes pensar em fantasmas antigos, em dores de corno, perder tempo a culpar os pais, os colegas de escola que moviam céus e terra para te humilharem ("This precious things... let them bleed, let them wash away").

    By Blogger Earworm, at 5:06 PM  

  • ah, esqueci-me de referir a minha banda de eleição - Kings of Convenience -(Quiet is the new Loud) e um pouco de toda a esfera de artistas desse Universo musical...

    bem, certamente que muitos outros nomes ficaram esquecidos, mas é interessante verificar a enorme cultura musical aqui presente...e até bastantes semelhanças nas preferâncias...

    aproveito para anunciar a mudança de endereço do Blog de uma morte anunciada para:

    http://www.blogdeumamorteanunciada.blogspot.com

    ;) abraços

    By Blogger JoaquimGilVaz, at 5:16 PM  

  • – Qual foi a experiência musical mais mística que já tiveram?
    Anathema que me foram apresentados pela booklover. Sem dúvida Jeff Buckley, alguém referiu o Hallelujah e concordo! sem tirar o chapeu a lilac wine!

    Essa música/álbum/ópera/concerto/area seria banda sonora perfeita para que situação ou filme?

    Gosto muito do "lago dos cisnes".
    Mas algo de perfeito, ou que foi perfeito ou "especialmente especial" (perdoem-me a redundância...wild worses de mazzy star.

    e poderia estar aqui muito tempo e não daria as respostas certas Às perguntas...até porque não dei, logo lembro-em de outras qeu encaixam melhor.
    não tenho a musica ou as musicas paar este ou aquele momento.
    tenho momentos com musicalidade, com musicas!

    By Anonymous Anonymous, at 10:12 PM  

  • Ahhh..não acredito! Earworm, Tori Amos??? Claro! Uma das minhas paixões secretas e algo que pouca gente entende..."Winter", uma música vinda de um outro mundo!!!!!
    Bolas, está-se aqui a juntar uma tropoa, que nem vos digo!!!!!
    beijinhos.

    By Blogger redbackspider, at 10:14 PM  

  • Creepyyyy, Redback!
    Winter é uma das minhas músicas preferidas de Tori. Não sou de chorar com livros ou músicas (choro em filmes, ninguém é perfeito) mas Winter é a única em que alguma vez me deu para a lamechice. Por motivos transparentes na letra.

    "When you're gonna make up you mind?
    When you're going to love you as much as I do?
    'Cause things are going to change so fast!...
    All the white horses are still in bed.
    You say that I will always have you near
    But things are going to change
    My dear..."

    A misticidade de Sigur está noutra coisa. É como ouvires anjos bêbados a ensaiar numa Igreja sem tecto, com uma aurora boreal por cima. Não lembra nada, não traz afectos necessáriamente agarrados, é a música pela música, pela perfeição, pela paz.

    By Blogger Earworm, at 12:18 AM  

  • Bem, como facilmente sei que cairia na tentação de escrever um dos maiores posts da hstória do blog, vou ser secamente breve... mas este assunto ainda vai dar q falar!

    A musica é uma paixão demasiado intensa para esta malta!

    Inner Silence - Anathema

    When the silence beckons
    And the day draws to a close
    When the light of your life sighs
    And love dies in your eyes
    Only then will I realize
    What you mean to me.

    Se o sentimento de perda tiver algo de belo... está aqui, neste tema...


    Echoes - Pink Floyd
    Normalmente dedicam-se musicas às namoradas/os com 3-5 minutos. Normalmete... mas como eu não sou um tipo muito normal, optei pelos
    quase 20 mins de um dos temas mais belos e deliciosos que os Floyd já escreveram
    Foi com o echoes a tocar (pelo menos na minha cabeça) que escrevi a carta a declarar-me à minha moonlight fairy

    Closer - Nine Inch Nails
    Uiii... eu avisei que tinha um lado perverso
    Descubram voces mesmo a letra desta pérola de volência, sexo e obcessão da autoria do mestre Trent Reznor


    p finalizar em beleza:

    From the edge of the deep green sea - The Cure

    Quando eu era mais novito queria ser como o Robert Smith. Era do ar louco e sonolento, do cabelo tresloucado e rebelde, das letras augridoces, do charme de adorable freak, do jeito desengonçado... Mas nunca o mimetizei fisicamente, sempre tentei ter o meu proprio aspecto.
    Este tema reflecte bem aquela arrogancia sentimental típica da adolescência e o desvario dos amores



    e pronto, se ainda tiver coragem, pode ser que venha a acrescentar mais um post a este mini-desafio

    estou a adorar o clima de abertura que se está a gerar no blog!


    boas escritas

    d.u.

    By Blogger Der Überlebende, at 1:32 AM  

  • Bem, isto é mais do que trocar cromos, Earworm, e é bem mais divertido! Eu penso que os nossos gostos musicais dizem mais de nós próprios do que nós imaginamos. "Diz-me o que ouves e dir-te-ei quem és",diria eu!

    Der Uberlend, Cure é qualquer coisa de muito especial. Era super na minha adolescência. A década de 80 não foi boa em termos musicais, produziu-se imensa música light, música de dança,easy-going, mas, paradoxalmente havia boas coisas a rolar e uma delas era Cure, justamente.

    NIN- Hurt, a minha preferida. É o dark side. O lado de lá das coisas...

    Pink Floyd- Confortably Numb. Para mim, é o Top dos tops. Pink Floyd é incomparável. Têm um lugar único.

    Anathema- Flying, talvez uma das melhores...a que leva mais de mim...ou traz, nem sei...

    Agora, para vos deixar com a a curiosidade no topo, estou precisamente a ouvir uma música fabulosa...tem um parte muito forte,o refrão. Ponho-a sempre para fazer a saudação ao sol no meu tai-chi desde que a descobri muito recentemente. A sensação é a de toco o céu e a minha mente se liberta do corpo...ai...
    Ah, esquecia-me de vos dizer qual é a música: Cripple and The Starfish, Antony and The Johnsons.

    Bem, já chega, certo? Quando começo a falar de música sou quase tão chata como quando começo a falar de filosofia ou veganismo...uma melga! bzzzzzbzzzzbbbbzbbbbbbb...CLAP....é fácil!!!
    Beijinhos.

    By Blogger redbackspider, at 12:25 AM  

  • Sigur :)
    Eles andem , mas não passem por aqui...

    By Blogger Cardoso, at 12:57 AM  

  • Acho que ainda nao mencionaram.. mas.. Antonio Variaçoes.. :) cantarolava quando era caninha e ainda hoje o faço.. tem uma voz linda :D enfim..

    "lá vai o maluco
    lá vai o demente
    lá vai ele a passar
    assim te chama toda essa gente
    mas tu estás sempre ausente
    e não te conseguem alcançar"

    ou...

    "vem, que o amor
    não é o tempo
    nem é o tempo
    que o faz
    vem que o amor
    é o momento
    em que me dou
    em que te dás"

    ou talvez a mais bonita de todas...

    "Fiz dos teus cabelos a minha bandeira
    Fiz do teu corpo o meu estandarte
    Fiz da tua alma a minha fogueira
    E fiz, do teu perfil, as formas da arte

    Todos nós temos Amália na voz
    E temos na sua voz
    A voz de todos nós

    Dei o teu nome a minha terra
    Dei o teu nome a minha arte
    Dei a tua vida à Primavera
    Dei a tua voz à eternidade

    Fiz das tuas lágrimas a despedida
    Dei aos teus braços a minha dança
    Dei o teu sentido à minha vida
    E o grito dei-o ao nascer de uma criança

    As tuas mãos ao meu destino
    O teu olhar ao horizonte
    Dei o teu canto à marcha do meu hino
    E dei a tua voz à minha fonte"

    e podia continuar aqui sem parar a cita-lo... Dar e Receber, Estou Além, Deolinda de Jesus.. tanta coisa bonita da autoria dele..

    pts admito entusiasmei-me, enfim desculpem, é das horas...

    beijinhooo*

    By Blogger Perséfone, at 3:07 AM  

  • A propósito de música e de momentos mágicos, gostava de deixar aqui a memória de 5 momentos mágicos, ainda do tempo em q eu conseguia ir aos concertos:

    5. Radiohead: a 11 de Maio de 1997 tive a honra de estar em Lisboa no Paradise Garage a assistir ao lançamento mundial de um dos discos mais marcantes da década de 90' e que gerou uma miriade de bandas 'wannabes': OK Computer! Estar ali a 2 m dos Radiohead e a ve-los meio encavacados por estarem a tocar pela primeirissima vez ao vivo temas como Paranoid Android, Karma Police ou Airbag (foi com esta que eles abriram)

    4. Massive Attack. Depois do concerto meio sensaborão que eles deram no pavilhao Atlântico em 98, não foi com grandes expectativas que os decidi ir ver ao Coliseu. Mas ainda bem q fui! O concerto de apresentação do fabulodo 100th window foi dos melhores espectáculos audiovisuais q já vi! Extremamente bem feito, bem organizado, super original, apelativo, muito inteligente e deliciosamente interpretado.

    3. Na mesma semana que o concerto dos MA de 98, tb no pavilhão Atlântico, a minha adolescÊncia veio ao de cima: Bauhaus! Eu estive lá, a ver os senhores do gótico vampiresco a subirem ao palco e a arrancarem com o brutal e rasgado Double Dare. Já tinha visto o Peter Murphy 2x, mas ve-lo ali, a interpretar Bela Lugosi's Dead, Spirit, Ziggy Stardust, ai ai... onde é que eu deixei o meu blusão de ganga preto já todo russo e desgastado...

    2. Roger Waters. 5 de Maio de 2000. Tal como o concerto dos Radiohead, era a segunda vez que na semana do meu aniversário presenciava um momento marcante no meu imaginário musical. Já todos perceberam que sou um devoto floydiano, especialmente da Igreja de São Rogério. Um album escrito pelo RW escuta-ve com muita atenção... e lê-se com mais ainda! O sarcasmo, a ironia, a crueza das palavras, o despir doc conceitos, a brutalidade da verdade... está lá tudo. E ve-lo em palco, a interpretar temas dos tempos dos Floyd como o Dogs, Shine on your crazy Diamond ou The Final Cut possibilitou-me completar mais um passo na celebração da Eucaristia musical

    1. E quem vem em 1º? O espaço foi mais uma vez um sobrelotado e fumarento Paradise Garage, com mais gente do que moleculas de O2, com a adernalina a pingar das testas inundadas em suor da espera feita num caldeirão fervilhante de adoradores. E foi assim que os manos Cavanaugh subiram ao palco e nos apresentaram A Fine Day to Exit. Eram eles, os Anathema!

    By Blogger Der Überlebende, at 12:26 PM  

  • Excelente ideia, associares momentos mágicos a concertos.
    Para mim, o mais especial foi o meu primeiro concerto, onde ia morrendo esmagada (Dramático de Cascais, 1996 - Pear Jam). Hoje nem os ouço muito – foi da overdose. :)Mas na altura queria casar com o Eddie Vedder e ter filhos dele de olhos azuis. hehehe
    Depois vieram mais: Placebo (Coliseu de Lisboa), Pixes (2004 SBSR)... Muse + Millionaire (Aula Magna).

    By Blogger Earworm, at 1:00 PM  

  • Oh!!!!!!! QUando eh que os Muse foram a Aula Magna?? Eh que eu como "membra" do coro da U.L. poderia ter tido bilhetes gratesshhhhh. Merda. Mas onde eh que eu estava nessa altura??!

    By Blogger smallworld, at 4:00 PM  

  • Olha Stela............ GRANDE CONCERTO! E a parte final do Bliss, com as bolas gigantes brancas que eles usaram em toda a tournée do Hullabaloo... Muito fofo, um momento mesmo especial e cheio de adrenalina. E os Milionaire? Foram a surpresa da noite.

    By Blogger Earworm, at 4:13 PM  

  • Já que estão a falar de música, não resisto a deixar aqui os meus momentos especiais :) Acho que a ideia dos concertos é muito engraçada, por isso vou começar por aí. O primeiro concerto que me deixou sem fôlego foi o de Moonspell no Coliseu, na apresentação do "Darkness and Hope". Foi a primeira vez que fui a Lisboa a um concerto e tudo me pareceu mágico!!! A seguir não posso deixar de destacar o concerto de Rammstein no Pavilhão Atlântico - era só fogo por todo o lado, um espectáculo visual de fazer inveja a muitas bandas e muito humor e gratidão em palco por parte dos nossos alemãezinhos :) Para continuar com alemães, o concerto de Diary of Dreams na Discoteca Alibi (Leiria) foi lindo e certamente inesquecível, terminando com uma agradável conversa com os membros da banda. Mas o concerto mais maravilhoso a que fui até hoje foi o de Ataraxia, no Orfeão de Leiria. Foi simplesmente LINDO. Quem não foi, não imagina o que perdeu... Estes dois últimos estiveram integrados no Fade In Festival (não deixem de visitar o site: http://www.fadeinfestival.com/)

    Quanto a músicas associadas a momentos...

    - "Tears of Laughter" de Diary of Dreams para momentos de tristeza;

    - "Aperlae" de Ataraxia para o pôr-do-sol à beira-mar;

    - "Tales from the inverted womb" the Sopor Aeternus para as alturas em que nos dá para o mórbido;

    - os álbuns todos de Dark Sanctuary para reflexão;

    - "The Secret Kingdom" de Avrigus para jantar à luz das velas;

    - "Far away" de Cranes para despedidas;

    - "Kyrie" de Lacrimosa, para acordar ao domingo de manhã;

    - "Siren" de Theatre of Tragedy para uma viagem de barco;

    - "All pigs must die" de Sol Invictus para pôr bem alto com as janelas abertas em dias de eleições ihihih;

    - "The beauty of a witch", de Tristania para ouvir com headphones quando nos apetece sair de algum lado;

    - "Ich gab dir alles" ou "Leaving" de L'Âme Immortelle para aquelas alturas em que nos apetece bater no namorado/namorada;

    Acho que me fico por aqui antes que a lista se torne demasiado grande (e chata) :P Beijinhos para todos***

    By Blogger rita, at 5:27 PM  

  • Estão com sorte...não vão ter de me aturar a falar de concertos...sabem porquê? Por que nunca fui a nenhum!!! Tenho perfeita fobia de multidões...não tenho paciência para esperar horas e horas em filas para comprar bilhtes,entrar, etc. Sou muito comodista neste aspecto. Gosto de estar sossegada. Sentir-me-ia uma carta fora do baralho num concerto, uma espécie de extraterrestre. Jamais conseguiria saltar, pular ou cantar a não ser sob o efeito de qualquer coisa alcoolizante!!! Estive par ir ver os Pink Floyd, sim, mas só estive! Apesar de saber que um concerto é uma coisa muito diferente do álbum gravado em estúdio, continuo a preferir este último. Posso ouvi-lo deitada no sófá, no meu santo sossego sem apertões nem gritos.É...devem estar a pensar: que grande seca que deve ser este aranhiço de dorso vermelho!!! ehehehe...

    By Blogger redbackspider, at 10:39 PM  

  • Tenho estado a fazer a contagem decrescente para a estreia da menina CAnadiana Feist em Portugal... apesar de as datas já terem sido adiadas 2 vezes, penso que é desta que a vou poder ouvir no Hard Club de Gaia já este dia 26...

    mantenho as minhas espectativas elevadas...

    By Blogger JoaquimGilVaz, at 2:23 AM  

  • RedBackSpider, não te preocupes também não fui a nenhum concerto:) e prefiro albuns gravados no estúdio. Agora as óperas prefiro ouvir ao vivo (já assisti centenas ao vivo). Os concertos sinfonicos, prefiro gravados, porque nos concertos adormeço:D E o ballet.... ao vivo, claro:)

    By Blogger Dasha, at 7:39 PM  

  • Ah, Dasha, ainda bem. É claro que se eu pudesse assitir a um concerto dos Pink Floyd sentadinha numa sala com ar condicionado como assisto a uma ópera ou a um concerto de música clássica, isso sim, iria sempre. Aliás, quando digo que não fui a um concerto não me refiro a música clássica! Já fui a alguns aqui no Porto, no Coliseu e adorei!
    E por falar em música clássica, atenção, percebo muito pouco, mas do que conheço gosto muito de Bach e Rachmaninoff.Que tal? Aprovado, o meu gosto? Tu é que és a expert nestas coisas! Cantar ópera, tocar piano, não é para qualquer um! Olha, eu canto mal que me farto e toco teclado de computador!!!! lololol

    By Blogger redbackspider, at 11:22 PM  

  • Viva! Estou fora do meu habitat natural, num computador emprestado por mto pouco tempo... e as estórias que vos poderia contar seriam mto mto longas... sorte a vossa eu ter q me despachar e não terem q me ler ;-) Poi é, sou um eterno apaixonado pelo belo, a arte ... e Música!!! (...) Desde q me comecei a tentar conhecer... Eu teria 14-15 anos qdo se deu uma das experiências mais mágicas e marcantes que vivi... tinha comigo uns lps (sim, lps, aquele «cds» enormes com um buraco no meio que tocam qdo uma agulha percorre a sua superfície :) emprestados para ouvir num aparelho hi-fi construido cuidadosamente pelo meu pai (ele é genial com electrónica ... e nos tempos que se viviam isso dava mto jeito). (...) A certa altura passeava-me pelo álbum «Relayer» dos Yes... era tão estranho... mas fui ouvindo... até que cheguei a «soon»... à medida que aqueles acordes ecoavam em mim, tocavam-me fundo, enleavam a alma que me tem (sim, não sou eu, pobre criatura que a «possuo») e levavam-me a flutuar no mais etérico dos espaços envolventes... o corpo movia-se ao diáfano aroma da sua magia contagiante, até que os meus joelhos dobraram e dei comigo ajoelhado com a cara molhada pelas emoções que de incontidas haviam transbordado... Desde então, a música passou a «tocar-me» ainda mais... tudo é energia, tudo vibra, tudo tem a sua nota, o seu movimento, ... tudo é vida e a música é vida! Bom, vou ter q terminar mesmo. Os meus gostos estão mesmo mto próximos dos de der uber ou dos da redbackspider... para mim só há música boa... ou má... independentemente do estilo. Pink floyd, Anathema, Lisa Gerrard, e tantos outros nomes (remeto para o que eles já escreveram, por exemplo...)... talvez + tarde volto a escrever. Espero n ter chateado...
    Abraços,
    SilentChild.

    Yes - from Relayer: the Gates of Delirium

    Soon oh soon the light
    Pass within and soothe the endless night
    And wait here for you
    Our reason to be here

    Soon oh soon the time
    All we move to gain will reach and calm
    Our heart is open
    Our reason to be here

    Long ago, set into rhyme

    Soon oh soon the light
    Ours to shape for all time, ours the right
    The sun will lead us
    Our reason to be here
    The sun will lead us
    Our reason to be here

    By Anonymous Anonymous, at 7:10 PM  

Post a Comment

<< Home


 

referer referrer referers referrers http_referer