Luz e Sombra

Tuesday, February 15, 2005

Túnel; 500 palavras para um blog

Túnel
Longas tardes de verão, intermináveis... O zumbido das abelhas, atarefadíssimas na colecta do pólen das flores silvestres que aqui e ali desabrochavam, as andorinhas que nos fazem voos razantes quando jogamos à bola debaixo dos ninhos pendurados no telheiro da minha escola. Como é bom pregiçar, sentar no alcatrão quente e contemplar os transeuntes com olhos semicerrados, especialmente quando passa a Sarah e suas amigas, enquanto deleitadamente me escoam as melodias mágicas dos meus headphones pelos meus ouvidos sequiosos adentro. No entanto há algo que constantemente perturba este límbico equilíbrio: a visão daquele túnel. Detesto ter lá passar, evito-o sempre que posso. Chego a dar a volta a dois quarteirões só para não ter que passar por debaixo daquela arcada longa, sinuosa e escura, coberta de musgo e fungos viscosos, onde o eco dos meus passos me parece perseguir com intentos pouco amigáveis. Dizem que mataram lá um vagabundo. Era o velho Jack, um marinheiro que tinha dado 7 voltas ao mundo, dizia ele para quem aguentasse o bafo da etilizada criatura, cujo fedor fazia o nosso balneário lá do futebol parecer quase agradável. Dizem que foi ao entardecer. Alguém esperou que Jack passasse pela curva do túnel para o esfaquear 3 vezes na barriga. Dizem ainda que lhe arrancaram os olhos e desenharam pentagramas satânicos com o sangue dele na parede podre e húmida do maldito túnel! Eu não suporto passar lá... Uma vez, ia já preparado para dar a volta aos dois quarteirões quando me pareceu escutar as vozes da Sarah e das amigas. Lá me enchi de coragem, feito cavaleiro da távola redonda, peito cheio e nariz empinado, prontinho para passar no túnel armado em valente. Estava a dois passos de o fazer, quando senti um calafrio na espinha! Avancei, lento e tacteante, o coração a querer saltar-me da boca, mãos trémulas, gélidas e suadas, boca seca como um osso. Olho atentamente, tentando ver para além da malfadada curva onde o Jack conhecera o triste fim. Um pingo de água suja e fria cai do tecto directamente na minha testa... quando do nada, salta da curva um gato preto a miar estridentemente na minha direcção, a correr a toda a velocidade. Meu deus, se a Profª. Beth me estivesse a cronometrar mandava-me directamente para a equipa olímpica, tal a velocidade com que me pirei dali p’ra fora! Quando parei quase vomitava de ansiedade, ... e de vergonha! Se alguém me tem visto fazer aquela figura...
Um dia estávamos todos a jogar futebol, quando num daqueles lances idiotas em que chutei a bola com demasiada força, esta foi parar ao túnel, para além da curva. Claro, todos me mandaram ir buscar a bola, óbvio. Ninguém gostava do túnel, mas com 12 anos essas coisas não se admitem. Lá fui. Assim que entro sei que não estou sozinho. Dispara o coração. Seca a boca. Suam as mãos. Ao entrar na curva, sinto uma mão puxar-me e agarrar-me! Era a Sarah, a dar-me o meu primeiro beijo de amor.

15 de Fevereiro de 2005,
Der Uberlende

6 Comments:

  • o túnel tem as suas surpresas!
    se para uns o mito é o terror, para outros pode ser uma fantástica história de amor!

    gostei!

    até sempre

    By Blogger Ana João, at 6:32 PM  

  • Esse túnel tem um forte duplo sentido, quando nos referimos a um rapaz de 12 anos antes de viver o primeiro amor da sua vida... não necessariamente o sentido óbvio, mas o mistério e o terror que de facto o corpo de uma "mulher" representa. Boas descobertas! Excelente texto :) Der Igel

    By Anonymous Anonymous, at 6:42 PM  

  • Epá, que surpresa!! Eu a preparar-me para um texto altamente «gore» e deparo-me com esta história tão querida, tão enternecedora... Ai que saudades que eu tenho dos meus 12 anos, que saudade ingrata (Chico Buarque).

    By Blogger smallworld, at 6:55 PM  

  • Bela história...
    Gostei principalmente do final! ;) LOL

    By Blogger Du, at 1:16 PM  

  • enternecedor e querido... também eu tenho medo dos túneis :) o primeiro beijo será sempre um momento inesquecível!
    não estou a conseguir escrever nenhum texto, faltam-me ideias e imaginação :(((

    By Blogger Eduarda Sousa, at 10:35 AM  

  • muito lamechas

    By Anonymous Anonymous, at 6:31 PM  

Post a Comment

<< Home


 

referer referrer referers referrers http_referer