Luz e Sombra

Tuesday, August 02, 2005

Desafio Crimes Perfeitos - Hoje Matei-me por Sweet Serenity

E está aberta a primeira sessão do DCP (Desafio Crimes Perfeitos poixtáclaro!)
A primeira a subir ao palco é a Sweet Serenity

aqui vai um abanão para agitar esta silly season

enjoy

d.u.

- Hoje, matei-me -

É hoje que me mato.

Falta-me pensar numa forma de o fazer. A ideia dos compridos associo-a a uma morte indesejada com o objectivo de chamar a atenção. A ideia de me atirar para debaixo de um comboio não me satisfaz; é demasiado rápida, não se sente a dor como se deveria. Quero sentir a vida esvair-se do meu corpo. Quero sentir as picadas da morte roçarem a minha carne até aprofundarem a ferida da dor. Quero morrer de dor! Há quem diga que ninguém assim morre, mas eu quero. E como é hoje que o quero, vou contrariar os instintos que se apoderaram de mim por todos estes anos fétidos e vou ter iniciativa. Sim. Vou começar algo e vou acabá-lo. Vou ter a força de vontade para elevar o meu espírito e materializar uma ideia, escapando assim do mundo ilusório em que sempre vivi; um mundo de pensamentos, teorias, intenções, suposições…! Vou construir algo. E vai ser algo que vos vou poder mostrar. A seu tempo tudo se irá compor. Hão-de ver a minha energia numa criação minha. Numa criação minha, minha! Eu vou fazer algo… nem acredito nisto. Não posso perder tempo novamente com divagações.

Vamos ao que interessa: a forma de me matar. Será uma criação vermelha, pintada com o meu sangue. A ideia de cortar os pulsos não me sai de mente, mas não é original, vão desprezar a minha criação por ser repetida. Como me mato então? Algo que doía muito. Tem que ser com dor! Não pode ser de outra forma porque é de dor que quero morrer. Já o disse e repito.Posso escrever Dor bem fundo na barriga e deixar o sangue escorrer até o corpo secar. Assim alio o desejo de morrer de dor à vontade fatal de escrever. A escrita da morte em mim. Eis uma ideia bonita. A navalha está já ao meu lado, juntamente com os meus outros instrumentos: a caneta e o papel.

Tenho o cenário perfeito! Um chão frio de cimento carregadamente cinzento e nada e ninguém ao meu lado exceptuando o meu consolo: os meus instrumentos. Mato-me com o que mais gosto. Mato-me da maneira que quero e realizando um desejo velho que havia guardado há já um tempo na gaveta dos pendentes.Deixei as roupas à porta de entrada. Sempre gostei da arte do nu e é assim que me vão fotografar quando me encontrarem. Vai ser tão belo... Espero poder apreciar esse momento do outro lado, como lhe chamam. Vão me encontrar na posição em que nasci, escondendo a Dor em mim, assim abraçada pelos meus braços, guardando-a bem junto ao peito que deixará de respirar em breve. Sim, vai ser a minha criação final, mas vai ser a melhor que alguma vez terei feito. Duvido que conseguisse, algum dia, fazer alguma que superasse esta que estou prestes a começar. Assim, despeço-me deste esterco numa beleza jamais vista por mim e pelos que me conhecem. Estou ansiosa por ver as expressões nas caras deles. Não que isso seja muito importante, mas quero
ver reacções; é sempre bonito.

Inspiro fundo… não por receio, mas por ansiedade. Não paro de repetir mentalmente que vou, finalmente, iniciar e finalizar algo com as minhas próprias mãos. Pego na caneta para desenhar as letras da Dor na minha barriga. Uma letra seguida da outra com espaço suficiente para não se atropelarem, para se distinguirem maravilhosamente umas das outras. A tinta sinto-a fria e é um primeiro sinal de que a minha criação começou. O papel ao meu lado está preenchido como há muito já não estava. Este dia é meu! A caneta já não treme nos meus dedos, está firme e desenha. A minha caneta desenha! Já não me lembrava de tal coisa. Estou prestes a emocionar-me, mas tenho que continuar, tenho que combater os meus instintos por mais fortes que eles aparentem ser. Pego na navalha com cuidado para ter a certeza que não me engano em nenhum passo. Levanto-a, agarro-a com firmeza e começo a desenhar com determinação. Já dói… Dói e os meus lábios erguem-se num ligeiro sorriso. O D está desenhado e sangra. O o ganha vida e seguidamente o r. O sangue escorre lentamente da barriga para as virilhas e daí para o centro de fertilidade. É tempo de me deitar… A caneta ensanguentada está sobre o papel que agora vive. Deito-me, abraço-me e fecho os olhos a metade.
A dor torna-se aguda e invade-me o corpo como nunca. Sinto as feridas abrirem-se como quem se encontra no processo de nascimento. Gostava de poder descrever esta dor por que tanto ansiei, mas é demasiado real para a retratar só com palavras. A dor é tanta que de mim e dela já não há linha separadora. Somos uma. Unidas para a morte que se avizinha. Aos meus olhos o cinzento carregado, nos meus ouvidos o zumbido do silêncio e do escorrer do sangue. Sorrio… eu sorrio! Olho-me o melhor possível para que possa fechar os olhos e ficar com a imagem da minha criação gravada nas pálpebras.


Sei que a minha expressão facial é a de alguém que dorme tranquilamente um sono de satisfação. Consegui finalmente… Quem me achou incapaz de fazer algo por mim? Mais cedo ou mais tarde todos acabam por encontrar o seu momento de felicidade. Eu encontrei-o hoje.


18 de Junho de 2005

Sweet Serenity

8 Comments:

  • Perfeitos ou Imperfeitos? Pode ser a vontade do fregues? sim? :D

    By Blogger Perséfone, at 3:37 PM  

  • Crimes contra nós próprios. É do que mais há. Adorei o texto, e senti uma angústia tremenda ao lê-lo... Parabéns, Sweet Serenity!

    By Blogger smallworld, at 9:21 PM  

  • Adorei o título e, à medida que ía lendo, ía ficando cada vez mais fraca e nauseada, como se me tivesse cortado também. Deu-me a volta ao estômago – e isto é um elogio! Está... assustadoramente real!
    Fizeste a apologia da beleza da dor, por mais perturbador e antipedagógico que isso seja, mas assumiste corajosamente essa escolha até às últimas consequências. Gosto muito da maneira crua como escreveste este texto. Apesar de já o teres escrito antes, acho genial que a tua "moral da história" seja tão clara como isto: cometemos os maiores crimes contra nós próprios.

    By Blogger Earworm, at 10:46 PM  

  • Eu também o adorei, principalmente por me ter tocado directamente na ferida, quase que me apoderei completamente dele, como se eu é que o tivesse escrito! quantas vezes não me senti assim? quantas e vezes não pensamos desistir de tudo e acabar (será que acaba mesmo?)com avida engolindo um frasco de comprimidos? demasiado real, demasiado doloroso, por isso me tocou tanto, por isso gostei tanto dele...
    beijinho

    Ganda texto!

    By Blogger Eduarda Sousa, at 10:56 AM  

  • This comment has been removed by a blog administrator.

    By Blogger SweetSerenity, at 12:27 AM  

  • Hmm...só queria fazer um reparo que até pode ser muito picuinhas, mas a frase "É hoje que me mato." não era parágrafo.
    Outra coisa, embora não goste que os parágrafos estejam separados por espaços, compreendo que assim os tenhas posto para melhor leitura.
    E depois outra coisinha ainda... o meu nick tem sido sempre todo junto e vê-lo assim separado mete-me confusão lol

    Bah, sei que são pormenorzinhos de chacha, mas pronto :S


    P.S. Fico muito agradecida pelos comentários encorajadores :) significam muito!

    By Blogger SweetSerenity, at 12:28 AM  

  • Parabéns...isto é mais do que falar da dor...é vivê-la!
    Beijinhos.

    By Blogger redbackspider, at 12:10 AM  

  • Gostei muito deste texto: é dorido, intimista, angustiante e muito controverso. Definitivamente uma excelente contribuição para o DCP!!! Parabéns! Quanto à banda sonora, sugiro The Burning Red, dos Machine Head. Beijinhos***

    By Blogger rita, at 10:09 PM  

Post a Comment

<< Home


 

referer referrer referers referrers http_referer