Luz e Sombra

Friday, September 09, 2005

DCP - a vez da Dasha (sempre a tempo!!)

___________________________________________________

“-Olha para isto! Estes gajos não se cansam de sacar dinheiro em troca de nada… Passaros “inteligentes”??? Acreditas nisto? Passaros que sabem ler???


Eu passei ao Charlie o folheto que tirei da caixa de correio. Este anunciava a nova estreia do circo que chegou a nossa cidade. O Charlie olhou com despreso e ligou a televisão. Eu estive em mais uma das minhas estratégias de como ganhar o dinheiro: jogar cartas? Pedir algum donativo para a minha empresa inexistente? O meu cerebro, cansado de tantas ideias brilhantes, gerava cada vez ideias mais surreais, mas eu conhecia esta sua faceta e deixava o andar a inventar…


Na manhã do dia seguinte ouvi um barulho estranho do quarto do Charlie, e encontrei a porta fechada, o que já era estranho, tendo em conta que o Charlie nunca, mas mesmo nunca fechava a porta do seu quarto. Como eu não costumo deixar as coisas por descobrir, facilmente abri a porta do quarto dele com um gancho e o que é que eu descubro? Num cubículo separado com as cadeiras e placas de cartão estava uma galinha! Dentro do meu apartamento! Isto é muito estranho, mas decidi fingir que não vi nada e voltei a trancar a porta.


A noite Charlie voltou com um ar misterioso e fechou se logo no quarto. Todo este suspence não me deixava sossegado, mas o que é que eu poderia fazer? Pus me a rever a correspondencia e jornais do dia, ainda a gerar as ideias brilhantes de “como ganhar muito dinheiro num dia” e encontrei um anuncio estranho: “Desapareceu a galinha inteligente do circo! A quem encontra-la a recompensa de 200 euros”. Um raio luminoso passou no meu cerebro! É isto! O Charlie está tramar uma sem me dizer nada! Ele roubou a galinha ao circo e agora vai devolve-la recebendo a recompensa! Não o posso permitir! Vou dar a volta a questão.


Da manhã Charlie disse me que vai partir no comboio das 10 e não sabe quando volta. Tem coisas a tratar na sua cidade e estas irão levar um certo tempo. Reparei no seu quarto as malas feitas e a galinha do outro dia numa gaiola grande.


-Charlie, para que a galinha?

-Para a minha mãe. Tem uma quinta e precisa de uma galinha desta raça.

-Mas Charlie, esta galinha não tem raça nenhuma, é uma galinha vulgar, não precisas dela, só te vai complicar a viagem, queres 10 euros por ela?

-10 euros? Por uma galinha desta raça rara? Só podes estar a brincar. Isto é uma galinha procriadora de futuros campeões na luta de galos la na minha terra!- disse o Charlie, segurando orgulhosamente o chapeu velho a frente do peito. Parecia mesmo orgulhoso da sua galinha, mas eu sabia o que é que eles estava a tramar e não desisti.

-Charlie, eu dou te 50 euros por esta galinha!

-50 euros? Mas para que queres pagar tanto por esta galinha? Tu nem tens onde guarda-la! Vives num apartamento! Não, uma galinha tem que viver no campo, no meio de outras galinhas e um galo!

-Charlie, eu dou-te 100 euros! E isto é o meu preço final! - disse eu fazendo cálculos de cabeça de que sempre vou ganhar outros 100 euros de recompensa.

-Oh meu amigo… Uma galinha não custa 100 euros! E eu gosto dela, a sério! Desde ontem que estou sentir uma certa afinidade com este passaro! Não posso vende-lo! Ainda por cima não tenho tempo para ir comprar uma outra para a minha mãe! Tenho comboio daqui 15 minutos!

-Oh, Charlie, pensa no dinheiro que te estou oferecer! Dizes bem, uma galinha não vale este preço, mas eu quero comprar esta galinha! Sinto que a tenho que comprar! Nunca sentiste isto? Com o dinheiro que te dou tu compras 10 procriadoras para a tua quinta! - eu fiz um ar muito convincente e até consegui uma gota de lagrima a sair pelo canto e olho… Para quem não sabe, é muito dificil fazer sair uma lagrima! É uma arte, qual eu domino muito bem! (modestia a parte)

-Pronto… - Charlie parecia mesmo abalado, mas eu sabia que está se fazer, e talvez estava mesmo com pressa para apanhar o comboio e decidiu contentar-se com 100 euros em vez de 200, mas bazar da cidade o quanto antes - Pronto… parece que tu precisas mesmo desta galinha. Vou aceitar a tua oferta e com este dinheiro compro outra quando chegar a casa…


Radiante, eu dei-lhe os meus últimos 100 euros e peguei na gaiola com a galinha que olhava assustada a sua volta.


A tarde vesti a minha roupa mais presentável e dirigi-me para a administração do circo com a galinha na mão. Bati a porta e encontrei um homem mal disposto a frente de uma secretária:

-Boa tarde, venho por causa de anúncio que foi publicado ontem no jornal. Trago a galinha desaparecida, ai este passaro inteligente, já me leu todos os livros em casa!!! Agradecia que me passassem o cheque de recompensa!- fiz o sorriso mais doce que se pode imaginar…


O homem olhou para mim, a sua má disposição ficou substituida por uma surpresa:

-O senhor está me dizer que esta galinha que tem na gaiola sabe ler? – senti ironia na sua voz estridente

-Oh, claro que sabe! Ela lá em casa leu já todos os livros que encontrou! É a galinha que desapareceu do circo anteontem!

-Caro senhor – o homem estava ficar irritado – no nosso circo só temos corvos e papagaios! E digo lhe já que ainda não se conseguiu ensinar uma galinha a ler! Não demos anúncio nenhum sobre o desaparecimento de nada! O seu passaro maravilhoso devia estar num museu! Mas aqui ninguem engole esta treta! Adeus!


Eu sai confuso… Reli o anúncio e decidi ir falar com o velho Dick do jornal que me deixava sempre uma cópia gratis nas alturas em que eu não tinha um tostão


- Boa tarde, senhor! O dia está lindo, não está? - disse eu com o ar feliz.

- Não me venhas com esta… aconteceu te mais alguma coisa? Diz logo, não comeces com floreados!

- Ahh… não é nada, só queria saber quam deu este anúncio ontem no jornal!

O velho Dick olhou para anúncio, depois fez um ar de pensamento, embora eu duvide que aquilo ainda pensa. E depois pronunciou:

- Olha, este anúncio deu o teu amigo, que está viver contigo no apartamento! Aquele alto, que anda sempre de chapeu de feltro!


A terra fugiu-me dos pés… então o meu amigo Charlie enganou-me? Ficou com todo o meu dinheiro e aproveitou-se da minha fase de procura de ideias para enriquecer?


Arrastei-me lentamente pela rua… Um único pensamento apoderou-se de mim… Era um crime sangrento que a minha cabeça planeava sem querer... Alguem vai morrer antes de por de sol! Decidido dirigi-me para a casa…


A noite comi galinha assada…”

Dasha

5 Comments:

  • Giro, muito giro! Deu para rir da personagem principal, de tao patetico que eh na sua busca de riqueza facil. Conseguiste fazer um texto leve e comico, mesmo com um crime por tema! Beijinhos

    By Blogger smallworld, at 1:59 PM  

  • O nosso talento eslavo volta a atacar!
    Ontem qdo publiquei já foi mmo a fechar a loja, fica agora o comentário

    Adorei! tá fresquissimo, ousado e tragicómico. Tens um estilo muito atraente e cinemático, deu para visualizar a trama a desenrolar

    e quem escreve assim tem direito a passar dos prazos! :)

    go ahead!

    d.u.

    By Blogger Der Überlebende, at 5:17 PM  

  • Fizeste-me lembrar o húmor eslavo do Gogol misturado com o nonsense do Kousturica.
    Gostei!

    By Blogger Earworm, at 12:58 AM  

  • Está bastante engraçado. Muito imaginativo sem dúvida.
    Gostei especialmente da última frase, belo remate :)
    Gostei :)

    Beijinho*

    By Blogger SweetSerenity, at 1:08 PM  

  • Obrigada:)
    Cheguei da manhã ao emprego (no fim de semana não costumo ir a net) e fui surpreendida com uma avalanche de comentários (tal como no meu blog, tal como aqui) obrigada!!! vocês são um espectaculo:) e o facto de eu escrever deve-se a vocês e ao vosso apoio.

    beijinho

    By Blogger Dasha, at 9:43 AM  

Post a Comment

<< Home


 

referer referrer referers referrers http_referer