Luz e Sombra

Wednesday, September 07, 2005

DT: A Queda

ANYONE, ANYWHERE
No one seems to care anymore(as)
I wander through this night all alone
No one feels the pain I have inside
Looking at this world through my eyes
No one really cares where I go
Searching to feel warmth forever more
The wheels of life they turn without me
Now you are gone... eternally
No...
Don't leave me here
The dream carries (me) on
Inside
I know...
Its not too late
Lost moments blown away
TonightChorus.
Mankind, with your heresy
Can't you see that this is killing me
There's no one in this life
To be here with me at my side*

Caí novamente no inferno, a amargura, a aflição e o desanimo apossaram-se de mim. Sinto uma força destrutiva brutal dentro do meu peito, apetece-me gritar até perder a voz, deitar-me e não acordar nunca mais. A dor é tão grande tão grande que as lágrimas brotam incessantemente dos meus olhos. A cabeça anda à roda, não me apetece falar com ninguém porque ninguém jamais compreenderá a dor de eu ser eu. À velocidade da luz, esta angústia inquietante percorre-me velozmente o corpo e tal como a seiva bruta ascende na árvore, o desespero escorre violentamente por mim e entranha-se nos sítios mais recônditos e inimagináveis do meu corpo. Os braços esbracejam violentamente na tentativa vã de me tirarem deste sufoco. Os ouvidos recusam-se a ouvir e bloqueiam, só suportando o barulho do silêncio. Os olhos, esses mergulham num livro, detêm-se num parágrafo qualquer para me abstraírem desta dor. São momentos preciosos que me permitem descansar… de uma guerrilha que a autodestruição trava com a minha vontade desmesurada de viver…
Estou cansada de me sentir assim, dia após dia, noite após noite…
Não sei o que busco…
Não sei o que procuro…



ps - esta letra foi-nos enviada pelo Silent Child e como eu tinha este texto para publicar no desafio DT achei que podia servir de introdução... Espero que não te importes Silent Child :)


*Letra de Anathema ( www.anathema.ws ) do álbum "Judgement" (1999) ANYONE, ANYWHERE

5 Comments:

  • ok,

    sou um exemplo para mim próprio. Já abri hoje o blog uma meia dúzia de vezes e li e reli)este post.
    A música dos Anathema encaixa como uma luva naquele que será dos melhores posts de sempre da booklover (e do blog).
    Leiam, sim leiam com muita atenção, deixem o filme corre na vossa cabeça, e porventura irão viver algo muito forte e inquietante...
    Já direi como a Dasha, mas ninguém escreve nad a mais up-with-people, mais optimista?
    Espero que sim, mas entretanto, fica aqui registado, nuns míseros bytes que flutuam na Tera-net, o quão forte, impiedosa e poética pode ser 'a queda'

    parabens silent child/booklover

    d.u.

    By Blogger Der Überlebende, at 12:53 AM  

  • Eu já conhecia o texto da nossa Booklover e já lhe tinha dito o quanto gostei dele. O que mais me inpressionou foi o facto de sentir, em cada palavra, que essa dor vinha de dentro, de dentro daqueles espaços que desconhecemos de nós mesmos. Se calhar, quando escavamos bem fundo dentro de nós encontramos os nosso impulsos de morte e destruição. Passamos imenso tempo a negar a sua existência, mas eles vêm à superfície...quantas vezes não nos levamos ao limite num desafio de auto-destruição inconsciente? Bem, se calhar já estou também para aqui a dizer um monte de disparates...é o adiantado da hora!
    Parabéns mais uma vez Booklover...fizeste uma óptima combinação com os Anathema...
    *

    By Blogger redbackspider, at 1:06 AM  

  • Não resisto a "responder" a esta extraordinária combinação de Anathema com o texto da nossa Book...e pegando no que disse a Dasha e o D.U a propósito de coisas "up-with-pleople", aqui vai uma música que nos faz levantar de novo e que eu dedico, muito particularmente, à nossa Book! E a todos nós, certo? Já somos uma família e já podemos encostar a cabecita aos ombros uns dos outros! :)Quando nos der a "parvoeira" ouvimos Peter Gabriel: "Don't Give Up"!!!

    Don't Give Up

    In this proud land we grew up strong
    We were wanted all along
    I was taught to fight
    Taught to win
    I never thought I could fail

    No fight left or so it seems
    I am a man whose dreams have all deserted
    I've changed my face
    I've changed my name
    But no one wants you when you lose

    Don't give up
    'Cause you have friends
    Don't give up
    You're not beaten yet
    Don't give up
    I know you can make it good

    Though I saw it all around
    Never thought that I could be affected
    Thought that we'd be the last to go
    It is so strange the way things turn

    Drove the night toward my home
    The place that I was born, on the lakeside
    As daylight broke, I saw the earth
    The trees had burned down to the ground

    Don't give up
    You still have us
    Don't give up
    We don't need much of anything
    Don't give up
    'Cause somewhere there's a place where we belong

    Rest your head
    You worry too much
    It's going to be alright
    When times get rough
    You can fall back on us
    Don't give up
    Please don't give up

    Got to walk out of here
    I can't take anymore
    Going to stand on that bridge
    Keep my eyes down below
    Whatever may come
    And whatever may go
    That river's flowing
    That river's flowing

    Moved on to another town
    Tried hard to settle down
    For every job, so many men
    So many men no-one needs

    Don't give up
    'Cause you have friends
    Don't give up
    You're not the only one
    Don't give up
    No reason to be ashamed
    Don't give up
    You still have us
    Don't give up now
    We're proud of who you are
    Don't give up
    You know it's never been easy
    Don't give up
    'Cause I believe there's a place
    There's a place where we belong

    By Blogger redbackspider, at 1:22 AM  

  • Parabéns booklover!

    Pelo texto e pelos claros sinais de amadurecimento interior.

    Reflexão premente. Continua!

    Não fico chateado por recorreres à minha sugestão

    dos fabulosos Anathema, que era para constituir uma participação num desafio.

    Agora, falando em Peter Gabriel... é impossível ignorar

    o perfume de genialidade que tantas vezes nos oferece...

    Não acreditam? Um só exemplo (há outros...) antigo, algo enigmático

    (para ser lido bem além da superfície), San Jacinto já tem

    + de 20 anos ... e alguém aqui diga que não é actual...

    abraçando a fraterna inevitabilidade da dor, transforma-a,

    transmuta-a, em si mesmo, funde-se e cresce com ela,

    volve-se em algo melhor, positivo, luminoso...

    up-with-people , será isso que aqui alguém escreveu...

    obviamente, sem lamechices :)

    (é verdade que quando ouvi e vi ao vivo San Jacinto

    numa interpretação única, as lágrimas correram enquanto,

    intimamente, a tristeza dera lugar a uma alegria pujante, rara,

    num daqueles ínfimos momentos em que quaisquer palavras são insuficientes...)



    A dor não é um mal... digo +, é impossível falar de alegria, da

    verdadeira alegria!, sem pressupor tristeza, dor, antes, durante ou depois...

    se calhar, também não se pode falar de alegria e tão pouco

    em felicidade (um seu derivado bem mais fraco... embora bem + comum

    e ilusório) sem falar em dor.

    Há por aqui alguém que receia a dor? Então, como pode aspirar

    a sentir o alento fugaz mas indelevelmente marcante eivado de alegria?

    Como pode escrever sobre alegria, sem sulcar os traços da dor íntima?



    Diz um Sábio que uma corda estica, estica... até que parte...

    quando não mais é necessária...

    Mas há uma linha, uma luz, uma Vida... que sempre fica e É!

    Como escreve Peter Gabriel...



    I hold the line!!!!!



    SilentChild



    San Jacinto Lyrics – Peter Gabriel

    Thick cloud - steam rising - hissing stone on sweat lodge fire
    Around me - buffalo robe - sage in bundle - run on skin
    Outside - cold air - stand, wait for rising sun
    Red paint - eagle feathers - coyote calling - it has begun
    Something moving in - I taste it in my mouth and in my heart
    It feels like dying - slow - letting go of life

    Medicine man lead me up though town - Indian ground -
    so far down
    Cut up land - each house - a pool - kids wearing water
    wings - drink in cool
    Follow dry river bed - watch Scout and Guides make
    pow-wow signs
    Past Geronimo's disco - Sit 'n' Bull steakhouse - white
    men dream
    A rattle in the old man's sack - look at mountain top -
    keep climbing up
    Way above us the desert snow - white wind blow

    I hold the line - the line of strength that pulls me through
    the fear
    San Jacinto - I hold the line
    San Jacinto - the poison bite and darkness take my sight -
    I hold the line
    And the tears roll down my swollen cheek - think I'm losing
    it - getting weaker
    I hold the line - I hold the line
    San Jacinto - yellow eagle flies down from the sun -
    from the sun

    We will walk - on the land
    We will breathe - of the air
    We will drink - from the stream
    We will live - hold the line

    comentário de Silent Child

    By Blogger Eduarda Sousa, at 11:04 AM  

  • Gostei muito do texto... gostava muito de ter um vocabulário tão rico como teu, Booklover. Mas penso que se continuar a ler os vossos textos irei enriquece-lo. Porque sentir, sinto, mas muitas vezes não consigo descrever tão bem como o descreves tu.

    Aguardo mais textos

    By Blogger Dasha, at 4:14 PM  

Post a Comment

<< Home


 

referer referrer referers referrers http_referer