Luz e Sombra

Thursday, April 21, 2005

ok, Sodomia 2, os outros 500 - só para terminar... e até breve :)

Sodomia, parte II

Uma ave pousa no parapeito da janela com o olhar felídeo de Felícia. Os dentes de Tadeu, incisos como adagas, sucumbem nas nádegas de Tiago. Felícia voa e fica o fel no olhar da ave, no anel de Tiago, nu na pele no sofá. A luxúria escorre pelo bolor húmido das ranhuras, pelo sémen das paredes que derretem. Felícia sua pelo tórax de Tadeu. Um mel azedo pulsa nas veias de Tiago, expulsa o medo de menino. Emulsiona-se na noite que ascende em pleno dia, transcende e desnuda por inteiro o desatino. Tadeu avança, cobre o corpo do parceiro. Tiago é quente de submisso e cerra os olhos, enterra os dedos, colabora, quer.
Tadeu penetra-o.
Na janela, a ave altiva desvanece-se. Sibila o sexo e flúi saliva nos amantes. Tiago sente o mundo dentro, doce e espesso. Tiago sente o mundo todo do avesso. As carnes querem, as carnes ferem, as carnes fedem, as carnes fendem, as carnes podem, as carnes pedem, as carnes comem, as carnes…

- SAI DAÍ !!!

Grita-lhe o homem, possesso com uma voz grossa de besta e arranca Tadeu, violentamente, de dentro do seu corpo.
- Que se passa? – Tadeu assusta-se e afasta-se para um canto, com o preservativo frouxo manchado de sangue.
Mas não tem tempo de se defender. Tiago investe com uma força sobre-humana, já nada o poderia deter. Tadeu é projectado contra a mesa de vidro. Da sodomia vai-se o prazer, fica a agonia. Tadeu estendido sobre os vidros, com a pele em sangue, procura na roupa uma compressa.
Tiago arrasta-se até à porta e sai à pressa.
A luz do dia conforta os seus passos bruscos e trôpegos, como uma réstia de esperança, de que tudo não tenha passado de um devaneio, um veraneio virtual, um sonho. Voltar para o emprego e nada se passou, eis o seu plano. Não mais pensar nem sentir o esfíncter. Acelerar o passo de volta ao centro comercial, onde deixou o automóvel. Entrar no carro, somente. Voltar para o emprego, para a sua vida.
Tiago tem 36, é casado com Felícia. E todos os dias, a mesma gravata que aperta, o mesmo arrumador que esbraceja, a mesma rotina que boceja, a mesma sevícia, a sodomia.
E hoje o tumulto dos acontecimentos atraiçoou os bolsos incautos de Tiago. Nem uma moeda. Apenas a nota de 50 euros que levantou no Multibanco. Tiago não hesita, lívido de horror, entrega-a ao arrumador. Mas este afasta-se, com um esgar desconfiado como se visse um polícia à paisana.
- Foda-se, tas maluco? – E afasta-se como um cão de rua, com o rabo entre as pernas.
Tiago fita a sua nota, completamente perdido.

A campainha tocou.
Era Tiago.
- Desculpa-me… – suplica-lhe, de olhos no chão.
Mas o olhar de Tadeu não mostrou ressentimento.
- Não tem problema, eu fico bem, Tiago.
E enquanto desce as escadas, Tiago ouve uma última vez a voz de Tadeu – obrigado.
Há tantos anos que não acontecia. Tiago e Felícia fizeram, hoje, amor.

8 Comments:

  • Não é à toa que te chamas "o porco-espinho". Tens aqui farpas para dar e vender.
    Então, boas férias de blog e traz mais textos a ferver de raiva.

    By Anonymous Anonymous, at 12:37 PM  

  • de repente o vosso blog ganhou uma nova vivacidade, PARABÉNS por issso!:)

    By Blogger JoaquimGilVaz, at 12:54 PM  

  • hum... acabou bem. pensei que ia acabar mal. ainda bem. ainda ha esperança :)

    By Blogger aquelabruxa, at 2:40 PM  

  • Férias do blog? fico triste... quando voltas? parabéns pelo texto: temos escritor!

    By Blogger Eduarda Sousa, at 3:23 PM  

  • um final surpreendente ;D pelo menos para mim, surpreendentemente agradavel :) gostei da humanizaçao das personagens, muito reais, muito belas, as tres, sim porque a felicia tambem me parece ter muito que contar. apaixonei-me por elas :)

    beijinho*

    By Blogger Perséfone, at 7:43 PM  

  • O que? Vais deixar-nos por breves momentos? Esta bem, desde que voltes... Este personagem faz-me lembrar uma pessoa. Alias, faz-me lembrar varias. Um tadeu chamado tiago, por acaso. E um tiago que nao se chama tiago. Nao sei se para mim o texto acabou bem... Tiago ressuscitou para a vida, depois de chegar ao fundo de si proprio e da sua relacao com Felicia? Ou ficou mais perdido que anteriormente? Afinal a sodomia era o dia a dia.

    By Blogger smallworld, at 10:35 PM  

  • Tens razão, joaquimgilvaz, de repente, e após o balanço dos primeiros meses de D500, houve um "surto" de novos textos. Estamos num período fervilhante e de grande turbulência. Com palavras a mais ou a menos, o que importa é sobretudo a participação. Claro que... bem, deixo as hostilidades para o nosso Der "O Berlinde" :P heheheh

    Quanto ao final, só para esclarecer: sim, de facto acaba bem. Tiago reencontra-se. Sim, a sodomia era o dia-a-dia... o caso com Tadeu serve quase como metáfora. Mas não me quero alongar mais sobre o texto. Apenas ainda para responder a Persefone: às vezes a personagem mais forte é a personagem ausente... porque está lá. Melhor ou pior, foi isso que também tentei fazer.

    Eu não disse que ia embora do blog, mas sim que estarei uns tempos apenas como leitor... mas será sol de pouca dura ;)

    saudações blogosas! Der I.

    By Blogger Der Igel, at 11:30 PM  

  • muito bom!
    prende a respiração! a sodomia de te prenderes ao corpo e não libertares e quando o fazes, libertas-te dos teus preconceitos e dás aso aquilo que mais te patece..neste caso o Tiago quis a Felicia...

    By Blogger Ana João, at 4:19 PM  

Post a Comment

<< Home


 

referer referrer referers referrers http_referer