Luz e Sombra

Saturday, April 30, 2005

Lua (agora versão completa, espero!!); 500 palavras by Stela

“Tenho uma relação muito especial com a Lua”, disse ela. Na cara, o mesmo sorriso enigmático de sempre, de quem sabe tudo e não sabe nada. Fizemos apostas, silenciosamente, cada uma para si. Mais tarde, já sem a sua presença, comentámos na galhofa o que nos passou pela cabeça.

- Cá para mim, ela veio foi da Lua, daí a relação tão especial…
(risos)
- Ou então é uma super-heroína, que vai buscar forças a um mineral que só há na Lua!
- Como o Super-Homem!
- Não, estúpida, o Super-Homem era o contrário… A kriptonite dava cabo dele.
- Ai, é verdade…
-Ela tem é mais ar de serial killer. Com aquele ar de «eu sou tão boazinha!»… Vai na volta, tem cadáveres escondidos na arca congeladora!
(gargalhadas sonoras)
- Que horror, somos tão mazinhas…
- Pobre rapariga. Ela deve sentir-se sozinha.

De solidão percebo eu bem. Mas dela, quanto mais descobria, menos percebia. E os homens?

- Não gostei da forma como ela olhou para o Tiago.
- Porquê?
- Parecia que o estava a querer comer com os olhos! Será que ela não percebeu que ele é o MEU namorado?
- Se calhar é melhor pores um letreiro, da próxima vez.
- «GAJO COM DONA!» Achas suficientemente explícito? Ela é um pouco lentinha…
(risos)

Eu sabia que ela era virgem. Dizia-me que nem sequer pensava em rapazes, mas eu via o mesmo que a minha amiga. Aquela ânsia no olhar, como uma predadora à espera.

- E aquelas roupas?!
- Onde é que ela vai buscar aquilo…
- Coitada...

Coitadas de nós, que não podemos ver uma alma impermeável ao nosso escrutínio sem a querermos destruir. Impermeável?

- Sara?
- Sim…
- Porque é que me estás a telefonar a esta hora?...
- Era só para dizer adeus.

Adormeci de novo, no fundo da minha mente o “adeus” ecoando cada vez mais ao longe. Acordei suada. Adeus? O telemóvel tocava novamente.

- Joana…
- Diz, Carla…
- A Sara… está morta.
- O quê?!

Saltei da cama, o coração aos pulos a sensação familiar do tempo a correr contra a minha vontade, do sangue a fugir, a fugir…

- Ontem à noite… Cortou os pulsos.
- Então era isso, o adeus… - murmurei.
- Quê?

As lágrimas corriam agora pela minha cara e sentia os primeiros sinais de um vómito iminente.

- Ela telefonou-me ontem, eram umas 3 da manhã… Só que eu estava completamente ferrada, e voltei a adormecer logo depois de desligar, nem me dei bem conta do que ela me disse…

- Às 3 da manhã? Deves estar enganada. Os pais encontraram-na na casa de banho à meia-noite, ela já estava morta…

O telemóvel caiu-me da mão, em câmara lenta. Peguei-lhe de novo, sem forças. Terminei a chamada com a Carla, que continuava a falar do outro lado da linha. Registo de chamadas… Chamadas recebidas. Última chamada: Carlita, 08h25. Penúltima chamada: Sara Casa, 02h57.
“Tenho uma relação muito especial com a Lua”, dizia ela.

6 Comments:

  • Requiem para Sara (nem tudo o que brilha é ouro, nem tudo o que morre é negro - Nulla in Mundo Pax Sincera...)

    Marillion - Chelsea Monday (Script for a Jester's Tear)


    Catalogue princess, apprentice seductress
    Hiding in her cellophane world in glitter town
    Awaiting the prince in his white capri
    Dynamic young tarzan courts the bedsit queen

    She’s playing the actress in this bedroom scene
    She’s learning her lines from glossy magazines
    Stringing all her pearls from her childhood dreams
    Auditioning for the leading role on the silver screen

    Patience my tinsel angel, patience my perfumed child
    One day they really love you, you’ll charm them with that smile
    But for now it’s just another chelsea monday
    Chelsea monday

    Tju
    In the city of dreamers...
    Drifting with her incense in the labyrinth of london
    Playing games with faces in the neon wonderland
    Perform to scattered shadows on the shattered cobbled aisles
    Would she dare recite soliloquies at the risk of stark applause
    To chelsea monday

    She’ll pray for endless sundays as she enters saffron sunsets
    Conjure phantom lovers from the tattered shreds of dawn
    Fulfilled and yet forgotten the st. tropez mirage
    Fragrant aphrodisiac, the withered tuberose
    Of chelsea monday
    Sweet chelsea monday

    Patience my tinsel angel, patience my perfumed child
    One day they really love you, you’ll charm them with that smile
    But for now it’s just another chelsea monday
    Sweet chelsea monday

    Voice: hello john, did you see the standard about four hours ago?
    Fished a young chick out of the old father (i.e., The river Thames)
    Blond hair, blue eyes
    She said she wanted to be an actress or something
    Nobody knows where she came from, where she was going
    Funny thing was she had a smile on her face
    She was smiling
    What a waste!

    Catalogue princess, apprentice seductress
    Buried in her cellophane world in glitter town
    Of chelsea monday
    Chelsea monday
    She was only dreaming

    By Blogger Der Überlebende, at 9:26 PM  

  • Nao sei porque mas da primeira vez, nao consegui publicar o texto completo. Agora ja reeditei. A ver se é desta...

    By Blogger smallworld, at 9:27 AM  

  • Senti os vómitos e o sabor amargo na boca ao ler este texto... Provavelmente o que a Joana sentiu quando ouviu a notícia da Morte da Sara... Muito especial, muito intrigante, muito envolvente...***

    By Blogger rita, at 11:50 AM  

  • Ui!
    Acho que andamos a competir pelo mórbido e pelo cruel... Pronto, pronto, leva lá a bicicleta :P
    Afinal a Sara voltou, mas desta vez foi impiedosa, não deu chances a ninguém...
    Gostei muito, Stela, mais uma vez, da força da tua crueza. Mas vais ter que pagar um estômago novo a todos nós. Isso não se faz. Olha que escrever bem faz mal :P

    By Blogger Der Igel, at 12:10 AM  

  • ok, ler o teu texto foi a primeira coisa que fiz esta manha... não, segunda após a mijinha matinal, mas isso agora não interessa nada.

    Apetece-me voltar para a cama. Fora isso,está espectacular. Vejo nas entrelinhas da tua história muitas coisas que não são para aqui chamadas, mas é sempre bom ser testemunha de como uma escritora (sim, escritora, não abras boca que entra mosca, se quisesses poderias publicar!Já li coisas com muito menos qualidade...)consegue passar vivências para o "papel" de uma forma simples porém arrasadora.

    Adorei e... vou-me enroscar no sofá, tá? :P Jinhos

    By Anonymous Anonymous, at 10:26 AM  

  • Nesta história toda o que mais me impressionou e chocou não foi propriamente a morte da Sara, mas sim a conversa entre as duas amigas, a crueza das suas sensibilidades, os julgamentos maus sobre a Sara. Arrepio-me só de pensar que "amigas" podem ter o mesmo tipo de conversas acerca de mim nas minhas costas...

    By Blogger Eduarda Sousa, at 2:01 PM  

Post a Comment

<< Home


 

referer referrer referers referrers http_referer