Luz e Sombra

Sunday, May 01, 2005

Silêncio (Parte I); 500+500 palavras para um blog

Silêncio (Parte I)

214 pulsações por minuto: Não, esperem, por favor…NÃOOO!!

33 p.p.m.: O uivar distante das sirenes acompanha o fluir lento do sangue à minha cabeça. Tudo está desfocado e as pessoas e objectos movem-se descompassadamente como peixes em anóxia num aquário cheio de óleo em vez de água. As últimas memórias são de uma criança sentada a beira do lago a observar os círculos concêntricos feitos pelos ressaltos dos seixos aplanados a saltitar na superfície espelhada….

Onde estaria eu..?! Sentia-me gelado, mas a minha barriga e cabeça estavam a arder num remoinho húmido de lava e agonia. A criança esmorecia-se na paisagem cada vez menos definida, e o rasgão provocado pelas sirenes era cada vez mais intenso e inquietante.

92 p.p.m.:
Traficante: Sócio, como é?
Eu: ‘Tass bem man, comigo tás na boa não há espiga!
Traficante: Na tou a perceber bacano, ontem ouvi umas cenas que me deixaram bué à nora…
Eu: Man, tás-te a passar, deixa-te de ondas e orienta a merchandise…
Traficante: Vamos ali acertar umas contas… e parece que o russo quer ter uma conversinha contigo…
128 p.p.m.:
Eu: Man, tás passado dos cornos?!?
Traficante: Va, tá na altura de ajustar finanças…

Entendo finalmente onde estou. A porta das urgências era-me familiar, pois já tinha sido cliente dos gajos antes, tanto para me remendarem o couro como para receberem uns “clientes” meus com problemas de “saldo”
A lâmina do russo tinha trocado conhecimentos com a minha cara e estômago, e os punhos e as biqueiras de aço do meu “colega de serviço” trataram de me rearranjar a aparência. Estava feita a encomenda de mais uma caixa de pinho…
Onde estaria aquele chavalo, o puto que eu vi à beira do lago a espreitar as primas por entre as tábuas da casa dos barcos enquanto estas mudavam de roupa. O que seria feito daquele bacano que era o máximo, um músico de primeira apanha, sempre com a guitarra acústica cheia de autocolantes, sorrindo e piscando o olho às giraças da equipa de vólei. O que teria acontecido ao rapaz de olhos tristes que deambulava de bar em bar a entreter urbanóides desinteressados e desinteressantes com brasileiradas e golden oldies, torturando a pobre guitarra habituada a uma dieta de Floyd, Hendrix e Clapton com mediocridade só para pagar as contas… e o vício que entretanto se instalara nas narinas e veias de um corpo sub-nutrido…

61 p.p.m.:
O chiar dos travões das ambulâncias soavam-me aos chamamentos dos necrófagos para reunir à mesa.

Eu: Pai, eu seguro-te…
Pai: Deixa-me gaiato, antes que te parta as fuças!
Eu: Maldito seja o vinho e o dia em que nasceu, filho da p…!
Como um piloto de um caça num dia de festival, o meu incisivo voo de rompante pela sala…


49-122-218-87 p.p.m:

O mundo estava com dor de barriga e eu era o entrave. Deus olhava para baixo e acenava-me a despedida enquanto puxava o autoclismo. Próxima paragem: Lamber o enxofre das botas do meu verdugo

Animae, Libera me aex Inferis!

(...continua)

1 de Maio de 2005,

Der Uberlende

4 Comments:

  • Another one bites the dust... Ehehehe. Adoro esta canção. Ja te disse o que penso sobre este texto, mas o meu full comment vira na parte 2. Um beijo e obrigada pela criatividade! As minhas horas vagas (e às vezes as não vagas também) não seriam o mesmo sem os teus textos e dos outros colaboradores neste blog.

    By Blogger smallworld, at 9:34 AM  

  • "O mundo estava com dor de barriga e eu era o entrave."

    pois é, ultimamente é dificil manter-me actualizada no que diz respeito a este blog. o silencio parece que me persegue hoje. por vezes o silencio deixa-me louca.

    Obrigada pelo carinho :)
    beijo grande :*

    By Blogger Perséfone, at 1:25 PM  

  • Este texto é fortíssimo, carregado de emoções, de imagens fortes, de um enredo que nos cerca, que nos prende... sem respiração. Adorei o que li neste blog, voltarei certamente para ler mais. Beijo, a tua capacidade de escrita, de criar enredos é magnífica. Este blog liberta-se da lógica de todos os outros, não é um diário, é um livro, ou talvez um filme... porque eu vi mesmo a cena a acontecer. Obrigada.

    By Blogger maria l. duarte (secret), at 2:46 PM  

  • Companheiro de horas intermináveis de observação de insectos!

    Parece que temos que reformular o nome do desafio para D(trans)500 palavras :) Ganhaste-lhe o gosto da transgressão, hein? Já não cabem em 500 palavras, as histórias que vão surgindo.
    E o mais giro é que há alguns temas que se entrecruzam... Temos aqui neste blog, definitivamente, um universo muito próprio de personagens e cenários que vão evoluindo e interagindo de uma forma muito interessante. É apenas a minha opinião, que é pessoal claro está. E para ser mais claro, uni-pessoal :)

    Cá esperamos pela 2ª parte!

    Pax unit veritas guacamole formica rudris tenebricosus et calcas(lol)
    ;P

    [Der Igel is alive (iec iec iec)
    Aguenta sôce! A ambulância é só a primeira paragem. Deus que se atreva... ou ainda acaba com o pé na boca.]

    By Blogger Der Igel, at 12:36 AM  

Post a Comment

<< Home


 

referer referrer referers referrers http_referer